Justiça do Trabalho é lenta e pouco efetiva para o empregado.

Notícias.

Deu na Folha: A Justiça do Trabalho é cara e está sobrecarregada, portanto não consegue dar conta dos processos que recebe.

Audiência pública aberta à comunidade nesta terça-feira (19), no auditório da OAB às 19h. Na maior parte das vezes, ela é acionada para garantir o acerto de verbas rescisórias não pagas, como saldo de salário e aviso prévio e, de modo diferente do que pensa o senso comum, não pode ser considerada “pró-trabalhador” —que recebe, em média, R$ 4.500 por reclamação.

O retrato foi construído pelo pesquisador André Gambier Campos, do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), em estudo obtido com exclusividade pela Folha.

Para ele, a solução para o problema não seria reduzir a força da Justiça do Trabalho, mas aumentar os mecanismos de negociação antes que as disputas chegassem a ela.

Campos diz ainda que, ao perder a chance de fortalecer sindicatos e comitês laborais, a reforma trabalhista, aprovada pelo Congresso e prestes a entrar em vigor, poderia agravar a questão dos custos, pois tenderia a elevar a demanda judicial, já bastante pressionada.

Em 2011, 9% dos empregados que se desligavam das empresas buscavam a Justiça. Em 2015, esse contingente saltou para quase 18%.

Clique aqui para ler mais.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Anúncios

Heurística – Benjamin, pescador de pérolas.

Epistemologia.

Em um ensaio quase sentimental, Hannah Arendt escreveu que Walter Benjamin “despertava os mortos”, para, com eles, construir uma nova iluminação. No fundo do mar do esquecimento, recobrava “pérolas do passado”, colhia relações e esclarecia o eterno.

Pescador de pérolas, Benjamin recuperou gemas de pensamento. Buscou no fundo do mar do passado o inesperado, o estranho e o omitido. Repensou poeticamente a memória; não para restaurar eras extintas, mas para reaver algo outrora vivo e que, cristalizado, sobrevive no âmago da sabedoria. (mais…)

À moda de Foucault: um exame das estratégias arqueológica e genealógica de investigação.

Notícias & Almanaque.

Resultado de imagem para art FoucaultNo texto apresento um programa para aplicação da forma de investigar de Michel Foucault às pesquisas em ciências humanas e sociais. A partir da exposição sobre as abordagens arqueológica e genealógica, desenvolvo um roteiro genérico de pesquisa. Discuto, a seguir, os principais instrumentos e conceitos epistemológicos utilizados por Foucault. Concluo com uma apresentação dos paralelismos entre a sua perspectiva e outras modalidades de investigação qualitativa.

Clique aqui para ler o artigo original na íntegra.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Hobbes – Trabalho: o salto no escuro.

Trabalho.

Não temos medo do escuro. Temos medo do que pode nos acontecer no escuro. Nos amedronta menos o que pode nos causar dano do que o que ignoramos quais danos pode nos causar.

Tememos a morte, a doença, a solidão. Tememos uns aos outros: o homem é o lobo do homem. O medo, escreveu Hobbes, move a conduta humana.

É o medo que nos faz trabalhar. Nos assombra o desconforto da pobreza e da exclusão. Por isso, procuramos nos empregar mesmo quando não gostamos da tarefa, do ambiente, dos colegas, da empresa. Seguimos empregados quando temos alternativas, quando já não mais necessitamos, ou quando nem chegamos a necessitar dos recursos materiais que o trabalho provê.

Nos acovardamos ante a exclusão do mundo laboral. Mas não deveríamos. Se o desemprego nos priva da segurança, o estarmos empregados não a garante. O tempo e o contexto alteram nossa condição e a da sociedade em que vivemos. Para o nosso próprio bem, deveríamos aceitar que o futuro está sempre em aberto. (mais…)

Palermas.

Almanaque.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Heidegger – Convívio & Convivência.

Perplexidades.

O termo “convívio denota a circunstância. O termo “convivência” alude a uma conquista. O convívio é uma formalidade, uma situação em que as pessoas se encontram. Como quando nos referimos ao convívio familiar. A convivência é uma escolha, como na convivência pacífica. O convívio (lat. – convívi,is,vixi,victum,ère, viver com), não pressupõe animosidade latente. A convivência (lat. convivìum,ìi, participação em banquete), corresponde a situações em que um embate é potencial.

Alex Alemany

É esta distinção que Heidegger assinala em Ser e Tempo. Queiramos ou não, diz ele, os outros fazem parte da nossa vida. Mesmo o estar só designa uma ausência: é estar sem os outros. Nunca estamos sós. Os outros estão nas nossas memórias, nos nossos projetos, no nosso trabalho. (mais…)

Autocongratulações.

Almanaque.

“A self-congratulatory apparatus having a simulated human hand carried on a pivoting arm suspended form shoulder supported member. The hand is manually swingable into and out of contact with the user’s back to give an amusing or an important pat-on-the-back.”

Clique aqui para ver a patente completa.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Heurística – Nostradamus: a mântica profética de Hermes.

Epistemologia.

A advertência é antiga: Jerusalém mata seus profetas, Atenas, seus pensadores. Por isto os profetas bíblicos professavam, e não profetizavam. Cautelosos, voltavam-se para o passado, para a Aliança do Povo com Yaveh e para o que ocorre (não há tempo futuro em hebraico e em aramaico) com aqueles que a rompem. Apelavam à religião interior, à verdade inscrita nos corações (Jeremias, 31).

A exceção foi José do Egito, que podia prever o futuro. Chamou sobre o si o ódio porque prenunciava, não se limitava a anunciar. A história de José, vendido como escravo pelos irmãos ao egípcio Putifar, resgatado e elevado à vizir pelo Faraó, não é inconcebível. O que o profeta diz tem poder performativo (faz com que aconteça), e poder preventivo (evita que aconteça). Difere das fantasmagorias dos videntes e adivinhos. Corresponde à conjectura “artificial” dos augures, dos harúspices e dos nigromantes. Sobrevive na heurística dos astrólogos e economistas. (mais…)

As mentiras mais comuns em currículos.

Notícias.

Resultado de imagem para currículo falso

Deu no G1:

De acordo com Renata Motone, da empresa de recrutamento Luandre, muita gente ‘melhora’ o currículo e isso pode limar de vez as chances de contratação.

No desespero para conseguir uma vaga de emprego, alguns candidatos chegam a apelar para mentiras. Mas aquela “melhoradinha” no currículo que parece inofensiva pode riscar o nome de um profissional de vez da lista de possibilidades de contratação de uma empresa.

É o que diz Renata Motone, coordenadora de recursos humanos da companhia de recrutamento Luandre. Para ela, além de não ter as qualificações requeridas, o mentiroso ainda demonstra falta de ética.

“Frente a tudo que se acompanha no noticiário sobre a vida política no Brasil, a última coisa que queremos incentivar é a mentira”.

(mais…)

Inteligente.

Almanaque.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Trabalho e alienação.

Trabalho.

A expressão “trabalho alienante” designa o impedimento de a consciência controlar o produto e o processo da atividade laboral. O termo é de Rousseau. Hegel reformou o conceito para significar a transformação de seres humanos de sujeitos criativos em sujeitos passivos de processos sociais.

Resultado de imagem para George Tooker's work expressed a 20th-century brand of anxiety and alienation. Above, "The Subway" from 1950.

A partir da concepção hegeliana, Marx entendeu o trabalho alienante como a quádrupla disjunção entre o trabalhador e: o produto do seu trabalho; a atividade como simples meio de sobrevivência; a sua consciência; a comunidade a que pertence, a qual não interessa o processo e o produto do seu trabalho.

Multíplice e inexato, este entendimento se tornou problemático e esquivo.

Primeiro porque o termo alienação requer que o objeto de que se aliene seja explicitado, o que não ocorre satisfatoriamente com o referente do termo “trabalho”, que tem inumeráveis nuances e conotações.

Segundo, porque é difícil encontrar uma atividade profissional contemporânea que não seja alienante no variado sentido marxista do termo. São escassos exemplos de processos e produtos em que o trabalhador tenha participação, seja no processo decisório do que produzir, seja na forma que se deve produzir.

Terceiro, porque Marx, como fizeram Rousseau e Hegel antes dele, conjectura que a natureza humana é atemporal, o que foi demonstrado como falso pela ciência da antropologia.

Quarto, porque supõe uma sociabilidade limitada às relações de produção. Restringe a possibilidade de autorrealização à autonomia coletiva, não levando em conta a autarquia individual.

O certo é que a ideia denotada pela expressão “trabalho alienante” esgotou a capacidade de explicar o que aí está, a realidade em que o trabalho mental tem sido minimizado e o trabalho físico eliminado. Seus atributos são demasiadamente amenos para designar o ofício desnaturado de manter em função os autômatos e a burocracia digital.

 

UTILIZE E CITE A FONTE.
Blaumer, Robert (1964). Alienation and freedom: the factory worker and his industry. Chicago. University of Chicago Press.

Campbell, Sally Howard (2012) Rousseau and the Paradox of Alienation. Lanham, MD. Lexington Books. Rowman & Littlefield.

Fischbach, Franck (2011) Transformations du concept d’aliénation. Hegel, Feuerbach, Marx. In, Revue Germanique Internationale. [En ligne]. URL: http://rgi.revues.org/377

Marx, Karl (1985). Trabajo asalariado y capital. Barcelona. Editorial Planeta

O trabalho de pensar.

Almanaque.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Manicheist compliance: the light side of force is calling you.

Ética.

A moda da compliance se origina no imperativo de deter a imoralidade fluida e frouxa praticada pelas corporações.

O movimento de conformidade/complacência (o termo admite duas denotações) é um maniqueísmo de botequim. O maniqueísmo verdadeiro jamais foi praticado na forma em que pretende o esforço de compliance.

A seita criada por Mani, na Pérsia, é um sincretismo judaico, zoroástrico e hinduísta. Compreende uma dualidade religiosa, cuja doutrina consiste em afirmar a existência do duelo cósmico entre o Reino da Luz (o bem) e o das Sombras (o mal). A divisão é e rigorosa. A ética mani não tem a crueldade da indeterminação cristã.   (mais…)

Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento.

Notícias & Epistemologia.

Artigo ➽ Cherques, Hermano Roberto Thiry – Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. PMKT: Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, v. 3, p. 20-27, 2009.

A saturação é o instrumento epistemológico que determina quando as observações deixam de ser necessárias, pois nenhum novo elemento permite ampliar o número de propriedades do objeto investigado. A dificuldade maior que o emprego do “critério de saturação” apresenta é o do dimensionamento ex-ante da pesquisa. Não há como prognosticar com rigor o tamanho e o tempo necessários à saturação. Neste texto discute-se a possibilidade de construir uma estimativa da extensão e do dispêndio de recursos com observações, a partir da predição do ponto de saturação baseada em indicadores determinados empiricamente.

Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

Bergson: a intuição heurística.

Epistemologia

https://i2.wp.com/www.coreyhelfordgallery.com/images/products/FIRST-OF-DAYS-2004-AP-2-OF-2-01.jpgAo darmos de comer a uma criança, abrimos a boca em um movimento simpático. A intuição é este tipo de experiência. Algo que não comandamos e que não se destina a convencer, mas a comunicar. É a sympatheia, que nos leva diretamente ao outro e à nós mesmos a partir daqueles que nos cercam.

O intuitivo se dá entre o instintivo e o intelectual. Corresponde ao conhecimento direto no e pelo espírito, como ocorre na apreciação artística ou na experiência mística religiosa. Esta participação da consciência em um movimento que lhe é exterior rege as três fontes da heurística de Henri Bergson (Paris, 1859 – 1941): a problematização, a diferenciação e a apreensão da realidade no tempo. (mais…)

Efeitos das profecias autorrealizadas.

Trabalho.

https://i2.wp.com/seattlestravels.com/wp-content/uploads/2014/05/182.jpgA cristandade admite três carismas: a faculdade de sarar, a glossolalia e a profecia. Na Epístola aos Romanos (12, 6), São Paulo ressalva que essas graças (gr. khárisma,atos) de Deus devem ser exercidas em analogia e similitude da fé. Vale dizer, que são excluídos, in limine, do poder de restabelecer a sanidade, da capacidade de falar em língua desconhecida e do vaticínio carismático aqueles que não estão de acordo com a crenças cristã e com a interpretação eclesiástica.

Esta advertência tem duas implicações: i) as mudanças no posicionamento teológico invalidam retroativamente as curas, os discursos e as profecias; e, ii) as verdades históricas, como por exemplo, as relativas aos milagres, podem ser contestadas a qualquer momento. (mais…)

Instrumentalização: o sistema contra-ataca.

Ética.

https://bizarrocentral.files.wordpress.com/2013/06/seekoenig.jpg?w=2100&h=&crop=1

A economia ocidental é uma economia de eficácia competitiva. No entanto, as corporações se declaram como pertencendo ao mundo da conformidade social. A esquizofrenia de pretender integrar duas esferas vitais díspares enfraquece os alicerces da moralidade que deveria sustentar o sistema.

O ethos (conjunto dos valores e hábitos) no âmbito das instituições, das condutas, das ideias e das crenças tem muitas faces. Duas delas são conflitantes. (mais…)

O trabalho assalariado: o crepúsculo de uma tradição.

Trabalho & Produtividade.

Por muitas gerações, nós, os herdeiros da velha Europa, lutamos para assegurar uma remuneração constante pelo nosso trabalho. O salário foi, e ainda é, fonte de sobrevivência e de dignidade social. Mas agora o trabalho assalariado parece estar fadado a desaparecer.

A questão é se devemos nos concentrar na busca de outras formas de sobrevivência material e psíquica, ou se devemos resistir e prolongar a tradição do trabalho dependente para além da lógica econômica que a fez nascer e prosperar. (mais…)

O acaso e a fortuna.

Notícias & Almanaque.

Artigo publicado: Cherques, Hermano Roberto Thiry (2003). O acaso e a fortuna. Revista de Ciências da Administração (CAD/UFSC), v. 5, p. 07-19, 2003.

Resultado de imagem para interpretationA dificuldade de compreensão de termos com acepções similares é uma decorrência natural do processo de globalização. As interpretações culturalmente condicionadas são inevitáveis no contexto econômico e organizacional da atualidade. Nesse artigo examinamos os significados dos conceitos de fortuna e de acaso e as consequências da sua indiferenciação nas relações entre a cultura administrativa anglo-saxã e a latina. Argumentamos que o desconhecimento da diferença de significados traz consequências nocivas à gestão intercultural, ao planejamento e à logística.

Clique aqui para ler o artigo original na íntegra.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Heurística – A Cabala e o déficit de significado.

Epistemologia.

Dutch Oil on wood painting of Fool 16th Century at AuctionAo lermos e exploramos o mundo pelo caminho descarnado da Internet, nos dispensamos de o interpretar. Acrônica e acromática, a linguagem da Web convence por ser imediatamente inteligível. É facilmente aceita porque não implica em nenhum significado a ser descoberto. São palavras, símbolos e ícones parqueados para que possam ser colhidos e excretados quando conveniente.

O rebaixamento de nível no processo de decodificação fez com que, em apenas duas décadas, muitos de nós abandonássemos a aspiração milenar de sermos interpretes de nós mesmos para sermos pacientes da experiência equalizada dos outros. Rastreáveis, nos inscrevemos na crônica da manada. (mais…)