Baudrillard: Trabalho e Hiper-realidade

CATEGORIA PT

guillemcifre

Jean Baudrillard (Reims, 27 de julho de 1929 – Paris, 6 de março de 2007), sociólogo, poeta, fotógrafo e filósofo francês, jamais foi um acadêmico. Não passou no exame da agrégation (para o cargo de professor secundário), nem teve cargo universitário. Foi estruturalista, adaptando o estruturalismo para compreender o limite entre o real e a imaginação. Dedicou-se ao estudo do impacto das mídias e da tecnologia na vida contemporânea. Sem se importar com as críticas ao seu modo de se expressar e aos conceitos que inventou, procurou demonstrar como a cultura da atualidade é fruto de uma realidade construída, a “hiper-realidade”. Questionou a dominação imposta pelos sistemas de signos, o “valor simbólico”, que substituiu o valor de troca e o valor de uso como matrizes da economia e da sociedade.

Baudrillard é base inconfessada de grande parte do pensamento contemporâneo e de obras de arte em muitos campos, como o dos filmes Matrix (este declaradamente). Neste ensaio, sintetizo a sua posição sobre o trabalho. Examino como, a partir do conceito de sociedade de consumo, Baudrillard evidencia a obsolescência das visões econômicas, sociológicas e psicanalíticas, descrevendo o trabalho enquanto parte essencial da racionalidade do simulacro, na qual o esforço produtivo foi substituído pelos códigos da hiper-realidade.

Clique aqui para ler o ensaio na íntegra.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s