Bergson – a involução pelo trabalho.

Perplexidades & Filosofia.

bergsonAs superstições genéricas sobre o valor do trabalho não sobrevivem à análise criteriosa de Henri Bergson (Paris, 1859-1941).

O cotejo das dicotomias razão & intuição e tempo & duração, que o filósofo da evolução criadora realizou com disciplina irretorquível, confere às modalidades de trabalho valores evolutivos distintos, às vezes de sinais contrários.

Razão e intuição

A razão é, para Bergson aquilo que o entende ou é capaz de capturar o movimento, o espaço, o tempo, a causalidade. É fruto de uma evolução lamarckiana, de uma adaptação transmissível do ser humano às condições da vida. Destina-se a orientar o agir pessoal e social.

A intuição é algo “fora” e “além” da razão, mas interior ao ser humano. Bergson demonstrou que não podemos analisar racionalmente, isto é, neutra, friamente a nós mesmos. Que não podemos nos distanciar do nosso ser, de algo que experimentamos diretamente, que intuímos.

Enquanto a razão serve à vida, a intuição serve à consciência.

Tempo e duração

A razão se dá no tempo das horas, dos dias, dos anos. Filtra a multiplicidade do ser e do devir com vistas à existência prática. A intuição é o caminho para o próprio interior, onde a vida transcorre em um tempo que difere radicalmente do cronômetro, do transcurso linear e neutro.

Bergson denomina de duração (durée) à vivência interior, que flui distante da experiência exterior. É um passar em ritmo instável, em paradas, em vórtices.

A duração corresponde à temporalidade subjetiva, existencial, intuída.

O passado, o nosso passado nos impele à frente, mas a intuição modifica o porvir e modifica o passado. A intuição se dá no “agora”, que se soma ao passado e que percebe o futuro de forma diferente. “A duração é o progresso contínuo do presente que rói o futuro e que o infla ao avançar” (Bergson; 1959; 14).

O agora imediato da iniciativa, da espontaneidade é o cerne da experiência criadora, do cosmos e de nós mesmos, do nosso futuro e do nosso passado.

O somatório dos “agoras”, das intuições edifica a vida.

Evolução

Acreditamos ter consciência das coisas pela razão. Mas não é assim. O que temos consciência é dos rótulos dados às coisas por nossa cultura. Sabemos, mas não conhecemos. Conhecer é intuir. Conhecer é agir.

Só conhece realmente aquele que faz. Mas só se conhece realmente aquele que se faz.

Tudo o que importa se passa na consciência, na duração. Mas Bergson esclarece que não se trata de divinizar o contemplativo, nem de satanizar a vida ativa. Trata-se agir conscientemente. De pensar como um homem de ação e de atuar como um homem de pensamento.

A repetição mecânica, a disciplina, a execução de tarefas que não surgiram da nossa intuição, mas da razão – nossa e alheia – tem sinal contrário no processo de evolução. O trabalho recursivo, o trabalho obrigado, o trabalho induzido externamente são formas negativas da evolução. Degradam a existência que se deixa escoar, que (se) corrói no tempo físico.bergson2

UTILIZE E CITE A FONTE.
Bergson, Henri (1959). L’évolution créatrice. (Une édition électronique réalisée à partir du livre L’évolution créatrice. Originalement publié en 1907). Paris. Les Presses universitaires de France. 86e édition, 372 pages. Collection Bibliothèque de philosophie contemporaine.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s