Trabalho voluntário & Trabalho espontâneo.

Trabalho & Produtividade.

Os dicionários comuns costumam dar “voluntário” e “espontâneo” como sinônimos. Mas estes conceitos são antagônicos. Voluntário significa o que se pode optar por fazer ou não. Espontâneo é o que se faz sem intervenção da vontade.

O termo “voluntário” (lat. voluntarìus,a,um) tem raiz no conceito grego de proaíresis[i]: o que cada um se decide a fazer. Está relacionado à faculdade intelectiva. Toca aos sentimentos, aos estímulos que despertam, desencadeiam e dirigem ações deliberadas. O trabalho voluntário compreende o desejo racional e o racionalizado. Liga-se à experiência e à cultura, à aprendizagem colhida no meio circundante. Gera uma inclinação desejada e dirigida a um objeto determinado.

O termo espontâneo (lat. spontanèus,a,um) tem raiz no indo-europeu *(s)pen[ii]: puxar para si, e no conceito grego de boúlesis[iii]: um desejo que não obedece a razão. Está relacionado com o instinto, o mecanismo nervoso dos animais. Refere às sensações, aos estímulos que despertam, desencadeiam e dirigem respostas automáticas. O trabalho espontâneo concerne à ação reflexa. É fruto de uma tensão psicossomática, uma pulsão freudiana[iv], um impulso não querido ou dirigido a um objeto determinado.

O trabalho voluntário e o trabalho espontâneo têm em comum o não serem resultantes de um constrangimento exterior. Diferem, por serem, o voluntário resultado de incitação intelectiva, o espontâneo o resultado de uma incitação não refletida.

O elemento em comum faculta o trabalho voluntário e o espontâneo sejam dispostos em um mesmo contínuo de produtividade / eticidade[v].

Esta partilha dos dois conceitos implica muitas vezes em uma imputação equivoca da razão entre produto e esforço. Atribui-se maior produtividade ao trabalho voluntário. Mas não é assim. O trabalho espontâneo, aquele que se realiza por impulso, é o que, de fato, é mais produtivo. Entre os dois está o trabalho obrigatório, aquele que se exerce por necessidade ou receio. Explica-se por este desvio elementar de conceitos a fragilidade das teorias e a pouca eficácia das práticas de indução à produtividade laboral.

No plano da moralidade, as implicações são inversas. O trabalho voluntário é eticamente superior ao espontâneo. Corresponde a uma escolha moral, a uma decisão de servir a uma causa, a um grupo, a um ideal. Já trabalhar espontaneamente corresponde a satisfazer uma necessidade, a uma exigência não controlável, que não foi solicitada pela inteligência.

A medida ética do trabalho, diferentemente da medida da produção, é uma qualidade não constante, não escalar. Mas, qualquer que seja o grau que se lhe queira atribuir, há um contínuo que nasce do espontâneo, passa pelo obrigatório e alcança o ápice na ação voluntária. Os graus de produtividade percorrem o mesmo contínuo, mas no sentido inverso, do voluntário, ao espontâneo.

Escolio

O voluntário, o agir por sentimento ou intelecção, corresponde à atitude do sacrifício da vida material em favor da comunidade. A vontade que anima o voluntariado não é a de fazer, mas a de servir.

O espontâneo, o agir excitado instintivamente (lat. In stinguere – atiçar com um espeto), corresponde à atitude do altruísta doentio, que entrega bens e vida a todos, exceto a si mesmo, e às custas de si mesmo. Não há um instinto ou uma pulsão a trabalhar, mas a agir.

O ponto é claro, mas não é pacífico. A separação entre os dois conceitos tem sido objeto de discussão desde a Antiguidade[vi]. Schopenhauer[vii], por exemplo, que centrou a sua filosofia no conceito de vontade, a opõe à intelecção. A vontade teria analogias com as tendências irracionais.

A psicologia e a etologia contemporâneas, tendo em conta que o instintivo parece ser cada vez mais afetado pela aprendizagem à medida em se ascende na escala zoológica, fazem uma ponte entre os conceitos. Admitem que as representações e as funções intelectuais estão subordinadas às representações e funções afetivas e ativas do espírito.

Já na área médica, entende-se que a vontade teria como objeto resolver o conflito entre o fim da ação e os meios, que dependem da inteligência[viii] (os atos voluntários e os atos espontâneos do corpo humano, como a deglutição) e da psique[ix] (a significação das emoções nos movimentos espontâneos e voluntários da face).

Estas discussões são relevantes unicamente dos pontos de vista metafísico e científico. A maioria dos contemporâneos, tanto na esfera da filosofia, como no vasto campo das ciências sócio-humanas, ressalta o atributo finalístico e intelectivo do voluntário, contrastando-o com o irreprimível e o fortuito do espontâneo.

UTILIZE E CITE A FONTE.
[i] Aristóteles, Ética a Nicomano, III, II, 9, in, The works of Aristotle (1952). United Kingdom. Encyclopaedia Britannica Inc.

[ii] Ayto (1990). Dictionary of word origins. New York. Arcade Publishing

[iii] Platão, Leis. III, 687, in Platon (1981). Obras completas. Traducción y notas de María Araujo et alli. Madrid. Aguilar S.A. de Ediciones.

[iv] Freud, Sigismund (19 7).Trois essais sur la théorie de la sexualité. Paris, Gallimard

[v] Cherques, Hermano Roberto Thiry (2004). Sobreviver ao trabalho. Rio de Janeiro: Editora FGV.

[vi] Aristóteles, Ética a Nicomano, III, 3, in, The works of Aristotle (1952). United Kingdom. Encyclopaedia Britannica Inc.

[vii] Schopenhauer, Arthur (2005) O Mundo como Vontade e Representação. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp

[viii] Ertekin Can (2011) Voluntary versus spontaneous swallowing in man. Dysphagia. 2011 Jun;26(2):183-92. doi: 10.1007/s00455-010-9319-8. Epub 2010 Dec 15.

[ix] Berenbaum, Howard & Ann Rotter (1992). The relationship between spontaneous facial expressions of emotion and voluntary control of facial muscles. In, Journal of Nonverbal Behavior. Volume 16, Issue 3, pp 179–190. September 1992.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s