EPISTEMOLOGIA: Nietzsche – A heurística do deslocamento.

Epistemologia.

O que costumamos denominar projeções objetivas não passam de representações ingênuas e de antecipações acanhadas. São perspectivas centralizadas, imagens e imaginários lançados na direção de um ponto diretamente adiante no espaço e no tempo.

A convergência de linhas de profundidade em um ponto de fuga é uma forma de ver tão simples e natural que parece única. É muito antiga. Figura já nos modestos cenários do teatro grego. Leonardo da Vinci a descreveu no seu Tratado de pintura como arte primogênita, anterior mesmo à música. Está presente em todos os domínios do saber. Nicole de Oresme (ca. 1360) formulou, em seu “Tratado sobre a mutação monetária”, a projeção idealizada de um estado em projeção direta no futuro.

A perspectiva central foi a forma de ver dominante nas artes, na filosofia e na ciência até que, no século XIX, os Impressionistas rechaçaram a representação naturalista, os poetas e músicos transcenderam as formas e Nietzsche postulou o perspectivismo, a consideração de um objeto e do mundo segundo diversos pontos de vista.

A heurística da transposição de cenário deriva remotamente de Leibniz, mas Nietzsche foi o primeiro a criticar a condição pela qual cada centro de força constrói todo o resto do universo partindo de si mesmo. Não só propôs ver como o outro veria, mas ver de outra maneira. Fundou, com isso, uma heurística do deslocamento de perspectiva, a prática de introduzir variações sucessivas das ligações do campo perceptivo com o objeto para fazê-lo emergir numa configuração não habitual, que nutriu o método fenomenológico de Husserl e que rege grande parte da gnosiologia contemporânea.

Um exemplo do deslocamento de perspectiva é o uso de artifícios como a microscopia ou a telescopia temporal. Dilatando ou contraindo a escala do tempo, como na aceleração ou no slow motion cinematográficos, esclarecem-se as causas das flutuações de preços, da mancha de ozônio, do mercado de trabalho, da bolsa, etc.

Nietzsche abriu caminho para entender os objetos não só do lugar e do tempo de onde falamos, mas para os descobrir na fluidez do seu transcurso. Reivindicou a possibilidade de uma transfiguração do banal. Legou à heurística não uma episteme da ruptura, como, mais tarde, fez Bachelard, mas uma ruptura da episteme que havia vigorado até a sua data.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Bachelard, Gaston (1996) A Formação do espírito científico. Trad. Esteia dos Santos Abreu. Rio de Janeiro. Contraponto

Da Vinci, Leonardo (2004). Tratado de pintura. Tres Cantos, España. AKAL Ediciones.

Hülsmann, Jörg Guido(s/d). Nicolás Oresme y el primer tratado monetario. Recuperável em http://www.institutoacton.com.ar/articulos/12arthulsmann2.pdf

Husserl, Edmund (1981); Pure phenomenology, its method and its field of investigation, (inaugural lecture at Freiburg im Bresgau – 1917) in McCormick, Peter e Elliston, Frederick A. Editores; Husserl: Shorter works; Indiana; University of Notre Dame Press.

Leibniz, Gottfried W. (2009). A Monadologia e outros textos. Trad. Fernando Luiz B. G. e Souza. São Paulo: Hedra.

Nietzsche, Friedrich (2009). Genealogia da Moral. Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo. Cia das Letras.
Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s