ÉTICA: A fraqueza gregária.

Ética.

É preciso conhecer a noite para distinguir a claridade. Não há sol sem sombra, e toda verdade joga luz sobre os que vivem no aconchego da escuridão. Ao fazê-lo, retira suas referências mais confortadoras.

O escapado da caverna de Platão pode voltar e libertar seus companheiros. Só ele se arrisca a ser repudiado. O escapado das engrenagens do mundo contemporâneo, não. Ao mostrar que o rei está nu, faz recair sobre ele e sobre os que lhe escutam o ódio mundano.

COURAGE BY ADITYA 777

Camus escreveu que o que distingue a sensibilidade contemporânea da sensibilidade clássica é que essa se nutre de problemas morais e aquela de problemas metafísicos. O argumento é esquemático, mas verdadeiro. A sensibilidade contemporânea se alimenta de problemas da psique. Cada um se volta sobre seu pequeno mundo, interpreta a si mesmo, tenta ajustar-se à evidência da sua insignificância, procura se socorrer no convívio destituído de sentido.

Não se trata do gregarismo biológico, mas do pertencimento, da disposição infantil a aderir a qualquer coletividade, ainda que seja a dos que assistem a mesma série na Internet.

O ser humano precisa de signos de reconhecimento que o protejam da lucidez. Acena para o trem que parte e para o navio que passa, embora saiba que os passageiros não o podem ver.

Somos como o menino que assovia na escuridão da noite para dissimular o medo que sente de estar só.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Camus, Albert (1951) L’homme révolté. Paris. Gallimard
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s