TRABALHO: Quinta tese sobre a perda da centralidade do trabalho – o sucedâneo digital.

Trabalho.

Quinta tese sobre a perda da centralidade do trabalho – o sucedâneo digital.

Ah Xian – Born 1960, Beiing, China. Lives and works Sydney, New South Wales.

Em muitas esferas, coexistimos com o futuro e com o passado. Convivemos com sobrevivências que não são memórias, mas arcaísmos. Convivemos com realidades que não são latências, mas antecipações.

No trabalho contemporâneo, a vizinhança entre o que fenece e o que surge é dramática. Ou trágica. É preciso adquirir saberes que não se destinam a esclarecer, mas a ordenar a conduta. Não há esclarecimento e acumulação, porque a meia vida dos conhecimentos úteis é ínfima.

O trabalhador digital se vê ratificado como mercadoria. Não só ele, mas todos os humanos, incluindo os por nascer, as crianças, os velhos e os mortos. Desde os serviços pré-natais até o congelamento para a ressurreição, tudo tem uma marca, tudo tem um preço, tudo deve ser processado, tudo deve ser consumido.

O movimento é autofágico. O que se aprende é destituído pela produtividade marginal que gera. O trabalhador deixou de ser o detentor de um saber. Tornou-se um digestor de informações. A obstinação, e não mais a destreza, está no cerne dos perfis requeridos. A atenção sobre o operador humano cada vez mais se torna onerosa, infrutífera e dispensável.

UTILIZE E CITE A FONTE.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s