TRABALHO: No destino, a liberdade.

Trabalho.

O termo anarquismo, do grego anarkhía,as , ausência de chefe, diz respeito a uma índole, a um ideal e a uma ideologia.

Como índole, refere ao caráter de um indivíduo ou de um povo para quem toda submissão hierárquica é abominável. O anarquismo é um temperamento.

Como ideal, alude à imagem de uma existência comunitária em que inexista a dominação de um ser humano sobre outro. O anarquismo é uma aspiração.

Como ideologia, corresponde à meta de se chegar a uma acracia, um sistema político sem Estado e sem segmento socioeconômico dominador. O anarquismo é um projeto.

Os anarquistas ou bem aguardam, ou bem lutam pelo advento do terceiro ciclo da emancipação laboral. O primeiro ciclo fez dos escravos servos; o segundo, dos servos assalariados; o terceiro colocará o controle da produção nas mãos de associações livres e voluntárias de cidadãos-trabalhadores.

O ideário anarquista é utópico, mas no sentido que Merton dá ao termo: o de um programa alternativo de organização social capaz de realizar potencialidades humanas concretas.

A esperança do anarquismo contemporâneo é a de que, à medida que a sociedade industrial seja substituída pela sociedade digital, se torne possível uma abertura para a efetivação de vários dos seus desígnios.

A perspectiva não é descabida. As redes abrem a possibilidade de associações temporárias para fins específicos. Não só valem para informar e para protestar, como servem para produzir. A economia cooperativa é exemplo de estrutura libertária que já vige. A difusão de informações em grande escala, contra toda resistência, amplia o acesso ao conhecimento, e abre a possibilidade de os trabalhadores se tornem senhores dos seus próprios e imediatos interesses.

A sociedade, e com ela o trabalho, parece estar evoluindo para o ideal libertário anarquista. O dinamismo desta progressão é reprimido pelas instituições degeneradas do Estado e do capitalismo.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Buber, Martin (2006) Caminos en utopía. Traducción J. Rovira Armengol.  México. Fondo de Cultura Económica

Merton, Robert K. – Craig Calhoun ed. (2010). Sociology of science and sociology as science. New York. Columbia University Press
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s