TRABALHO: Sísifo – Alegrias do trabalho ordinário.

Trabalho.

Camus mostrou que a existência de quem realiza as mesmas tarefas todos os dias se torna trágica somente nas raras ocasiões em que o trabalhador tem consciência do seu destino.

Os trabalhadores comuns são pessoas como Sísifo, que condenado a fazer subir uma enorme rocha até o alto de uma montanha, deixá-la rolar até a base e recomeçar indefinidamente, encontram cabimento na sua tarefa.

Este sentido de validade, que é do burocrata, do operário, do serviçal, reside na certeza de que o seu destino lhe pertence e no sentimento de que seu trabalho é o seu habitat, como a rocha é para Sísifo sua casa. 

Reside, depois, na posse dos seus dias. Aquele que se encaminha reiteradamente ao serviço costumeiro, tal como Sísifo ao regressar para o vale em busca da rocha, dispõe do tempo sutil em que medita sobre a vida. 

O trabalhador ordinário se sente seguro ao saber que subirá e descerá a montanha. Que, até sua morte, irá e virá do trabalho. 

A pedra que carrega rolará eternamente, mas a sequência de tarefas que executa não requer a sua presença efetiva, só a mecânica. 

Isto basta para encher seu coração. Isto é suficiente para justificar sua existência.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Camus, Albert (2014). O mito de Sísifo. Tradução de Ari Roitman e Paulina Watch. Rio de Janeiro. Best Bolso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s