PERPLEXIDADES: A distopia de Anders.

Perplexidades.

Vivemos uma quadra em que a humanidade se limita a agir, sem se colocar a questão dos seus atos. 

O testemunho deste apocalipse – o termo grego significa simplesmente “revelação” – se deve ao filósofo Günther Anders (ou Stern), quem elaborou um paralelo entre os milenarismos dos calendários e esse – técnico-científico – de agora. 

Cada milenarismo tem caraterísticas próprias. Na volta do ano mil os fenômenos de pânico, apreensão e irresponsabilidade se deram antes e depois da data fatal. No do segundo milênio, se acreditou que o mundo acabaria pelo colapso ecológico, o nonsense econômico e a maldição tecnológica, da qual foi o epígono maior o bug do ano 2.000, que despejaria sobre nós as bombas atômicas embarcadas em satélites pré-digitais da antiga URSS. 

Em ambos milenarismos cronológicos o tema predominante dos discursos foi o da fuga para um futuro em que, depois da catástrofe, tudo seria novo e puro, tendo como critério da novidade e da pureza as crenças e os desejos dos arautos mesmos do apocalipse. 

Já o milenarismo técnico-científico produz uma narrativa em turbilhão. As catástrofes sanitárias, ambientais, sociais e políticas se sucedem de modo recursivo. O tema dominante é o da espiral das novidades aterradoras. Ninguém espera pela pureza. Ninguém crê que seja possível fugir para um futuro melhor. 

UTILIZE E CITE A FONTE
Dijk, Paul van (2000). Anthropology in the age of technology: The Philosophical Contribution of Günther Anders. Amsterdan. Rodopi Bv Editions.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s