EPISTEMOLOGIA: Heurística – A racionalidade não-inferencial.

Epistemologia – Heurística.

A expressão “racionalidade limitada” contrasta a otimização local do conhecimento (melhor que), com a otimização geral (melhor possível).

O conceito é de Herbert Alexander Simon (1916-2001), prêmio Nobel de 1978, quem aprimorou os modelos de racionalidade econômica e social mediante a redução do campo, do foco e da extensão da sua validade. 

Simon acreditava que os erros de cálculo pudessem ser corrigidos metodicamente. Por isso, recusou-se a considerar que a psique humana é dada a ilogicidades, que haveria situações em que os dados e fatos são inconsistentes, insuficientes ou inexistentes, e a admitir a ocorrência de acasos.

Como os demais teóricos da escolha racional, Simon estava enganado. De há quatro décadas, a psicologia da cognição vem demonstrando que o agir racional é duplamente limitado. Pelas dimensões do campo, é certo, mas também, por acontecimentos fortuitos, e, principalmente, pelo número restrito de processos mentais não redutíveis aos algoritmos em que se baseiam os julgamentos e previsões. 

Contrariando as disseminadas (e falhas) teorias da escolha racional, a neurociência têm confirmado a tradição filosófica, que sempre considerou como chave para as descobertas e para as invenções a modelagem fundada na conjectura desassombrada e no julgamento intuitivo.

Ao tomarem o termo “intuição” no sentido da faculdade de perceber, discernir ou pressentir imediatamente, os neurocientistas construíram modelos superiores em acurácia e elucidação àqueles baseados em fatos e razões. Em discordância com as ideias que ainda regem o pensamento econômico e administrativo, demonstraram que o racional não se opõe ao intuitivo. Que a intuição é parte da razão não-inferencial. Aliás, como sabíamos desde Aristóteles.

UTILIZE E CITE A FONTE.
Cohen, Laurence Jonathan. (1981). Can human irrationality be experimentally demonstrated? Behavioral and Brain Sciences, 4, 317-370
Kahneman, Daniel, Tversky, Amos, Slovic, Paul (1982). Judgement under uncertainty: heuristics, and biases. Cambridge UK. Cambridge University Press
Simon, Herbert. (1957). A Behavioral Model of Rational Choice”. In Models of Man, Social and Rational: Mathematical Essays on Rational Human Behavior in a Social Setting. New York: Wiley & Sons.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s