A conciliação pluralista.

Ética.

O ser humano tende à obstinação ante ao impossível. Seja procurando encontrar a fonte da juventude eterna, seja cogitando sobre como desfazer a maionese, seja tentando unificar os fundamentos morais, queremos o que não se pode ter.

Embora saibam ser absurda a ideia da fusão de escolas filosóficas, muitos teimam em integrar as lógicas das éticas formal-procedural (inspiradas em Kant) e substantivas-tecnológicas (inspiradas em Aristóteles).

Nas primeiras, as exigências se prendem à imparcialidade, o que leva à postulação de princípios universais. Mas estas formas de pensar não são suscetíveis de traslado à realidade moral. Por isso, dão a sensação de negligência para com o dever. Terminam por gerar culpa e remorso.

Nas éticas substantivas-tecnológicas as exigências morais se dirigem à busca de uma vida virtuosa, isto é racional. Como não se pode manter para sempre uma conduta inequívoca, essa linha de pensamento acaba por gerar desprezo e rebeldia, inclusive em relação a si mesma.

Ainda assim, subsiste a tendência, aparentemente irrefreável, de procurar a solução dessas contradições mediante a fusão dos quatro paradigmas que regem a filosofia moral contemporânea: o analítico, o fenomenológico, o hermenêutico e o da ação comunicativa.

A inviabilidade da empreitada é patente. A filosofia analítica trata o sujeito moral como estando isolado e destacado da sociedade. A fenomenologia requer a internalização do Outro como si mesmo. A hermenêutica analisa as relações morais, mas não as soluções para os conflitos. Por último, a ética da comunicação propõe o impraticável: que seres humanos sinceros, dispondo das mesmas informações, capacidades e vontade de encontrar a solução mais vantajosa para cada um e para todos, se expressem autenticamente em um debate público, onde cada um tomaria a palavra e ouviria atentamente os argumentos dos demais.

O pluralismo ético, o convívio sem o consenso, sugere pacificar a dissenção entre esses paradigmas mediante a coabitação justaposta.

Ao postular a transigência em lugar da homogenia, o pluralismo abre-se para o reconhecimento do diferente como diferente. Como não parece ser possível a coabitação sem normativas, incorpora como dever moral unicamente o respeito às convicções alheias, a lealdade nas relações humanas, a inclusão dos marginalizados e o cuidado para com os desvalidos.

Cf. Honneth, Axel (1995). The fragmented world of the social. New York. Suny Press.

 

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2020 – A conciliação pluralista. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensar https://hermanoprojetos.com/2020/08/05/a-conciliacao-pluralista

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s