O trabalho no século XX.

Trabalho.

Cutting the Stone (circa 1494) – Hieronymus Bosch.

A insensatez anarco-sindicalista, o delírio do marxismo-leninismo e a brutalidade neoliberal foram as três fúrias ideológicas que assombraram o trabalho no século que passou.

Os adeptos do anarcossindicalismo lutaram em prol do livre-contrato entre os poderosos e os seus vassalos famintos. Por alguma razão inexplicável, acreditaram, e alguns ainda acreditam, que os poderosos aceitariam serem sobrepujados sem resistência e sem impor uma revanche cruel.

Os adeptos do marxismo-leninismo postularam, para que houvesse equidade econômica, que um partido de vanguarda deveria assumir o poder de Estado e dirigir a população com mão de ferro. Por alguma razão inexplicável, acreditaram, e alguns ainda acreditam, que uma ditadura auto assumida resultaria em justiça laboral.

Os adeptos do liberalismo econômico lutaram para que o trabalho fosse regido desde centros de controle que tratassem o ser humano como mero recurso produtivo. Por alguma razão inexplicável, acreditaram e muitos ainda acreditam, que o trabalho vinculado, forçado e sem sentido pudesse preencher a vida psíquica e social dos seus semelhantes.

Estas ideologias não encontram razão seja na lógica, seja na história. A elas se contrapôs, minoritária, mas determinada, a convicção anarquista. Por muitas e explicáveis razões, os anarquistas acreditaram, e teimam em acreditar, que o trabalho pode progredir de instância destinada unicamente à satisfação das necessidades materiais para uma atividade orientada no sentido da realização dos valores humanos.

O é, efetivamente, utópico. Mas não é risível. Sua prática centra-se no combate à autoridade injustificada. Difere, por isto, das doutrinas do anarcossindicalismo, do marxismo-leninismo e do neoliberalismo econômico, que propõem modelos baseados na opressão, na repressão e na exploração.

O cuidado anarquista é com os extremos: com o trabalhador que não alcança satisfazer o mínimo das necessidades materiais e espirituais e com a contenção da patologia que acomete os que se propõem a acumular riquezas e a alcançar o poder à custa de outros seres humanos.

A estratégia anarquista não é a de propor regimes alternativos, mas a de expandir a área da cárcere até que todos possamos escapar por entre as grades.

Cf.  Chomsky, Noan (2004). Notas sobre o anarquismo. Tradução de Felipe Corrêa, Bruna Mantese, Rodrigo Rosa, Pablo Ortellado. São Paulo. Sedição Editorial.
UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2015 – A divisão idílica do trabalho. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2020/09/23/o-trabalho-no-seculo-xx/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s