Pluralismo – os ethe insolúveis.

Ética.

Catrin Welz-Stein

Não há tradução satisfatória para a voz grega ethos, ethe. O termo significa tanto o caráter, como os princípios aceitos por uma sociedade, um povo, ou uma pessoa. Denota simultaneamente a ética, a moral e a consciência.

O ethos racionalmente fundamentado, a ética, é a instância legitimadora das condutas sociais. Difere do ethos dos costumes, que corresponde à moralidade, à expressão comunitária. Já o ethos enquanto consciência é “o demônio interior do ser humano”, conforme consta de um fragmento de Heráclito, o de número 119.

Apesar da dispersão de sentidos, os filósofos moralistas pretenderam que se administrasse a vida social como se administra um almoxarifado repleto de soluções postas em prateleiras. Mas, na época da comunicação instantânea, as prateleiras se esvaziaram, e o embate entre os ethe racional, o costumeiro e o pessoal veio à luz.

Os três ethe são distintos e muitas vezes são antagônicos. Nem a psique é solúvel na razão, nem a razão nos costumes, nem os costumes na psique. São como o azeite, vinagre e o emoliente que os mesclam. Só se entrelaçam transitoriamente pelo esforço aplicado.

Com a ruína dos princípios da razão única, após o advento da psicanalise, da antropologia empírica e das ciências socioeconômicas, muitos aderiram às várias modalidades de relativismo, de ceticismo, ou de sincretismo moral. Recusaram a evidência de que toda fusão dos ethe, não importa o artificio que a fundamenta, é ilusória e ficcional.

Os que ainda se opõem, por razões acadêmicas, psicológicas ou bizantinas a admitir a falência dos sistemas morais  esquecem que a ética, as emoções e a tradição têm em comum serem simples acervos do pensado e do vivido. Condição que recomenda o pluralismo – a coexistência sem amalgama – como resposta possível à insolubilidade do ethos da razão, do costume e da personalidade.

 

 

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2020 – Pluralismo – os ethe insolúveis. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2020/10/28/pluralismo-os-ethe-insoluveis/

 

REFERÊNCIAS:

Heraclito (1982). Fragmentos; Tradução de Luis Farre; Buenos Aires; Aguilar Argentina S.A. de Ediciones.  frg. 119.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s