Heurística – A memória como estorvo.

Epistemologia

Nini Lacaille

Todos recordamos que Caim matou Abel e que, castigado pelo Senhor, foi condenado a vagar pela Terra. Mas esquecemos – ou nos fizeram esquecer – a razão da ira de Caim. Pois ela procedeu de que o Senhor havia se agradado da oferenda de Abel das “primícias do seu rebanho” e rejeitado a oferta dos “frutos do campo” de Caim (Gen. 4.3-5).

Por que nos lembramos dos efeitos e esquecemos das causas? A razão é simples. Há tantos fatos passados, tantas articulações entre eles, que só recordamos daqueles que nos vêm espontaneamente à memória. Não lembramos o que é difícil de entender ou o que não faz sentido.

Até os anos 1990, as neurociências davam como certo que estimássemos a frequência e a probabilidade de um fato ou de um evento unicamente pela facilidade com que vêm à memória. Opinamos, por exemplo, que existem mais palavras iniciadas com a letra “r” do que palavras que tem “r” com terceira letra.

Recentemente se verificou que não é só isso.

Vários estudos, o principal sendo o de Schwarz, mostraram que o argumento da facilidade era, não falso, mas incompleto. A frequência e probabilidade da lembrança é função, também, do conteúdo. Mais. O conteúdo prevalece como determinante para humores, emoções e estados do corpo e do espírito. O assassinato de Abel impressiona mais à consciência do que os motivos de Caim.

Recordamos dos eventos e dos objetos que nos inculcaram na memória ou para os quais inventamos um sentido pelo mesmo motivo que cremos em divindades ou que acolhemos seus desígnios: a aversão ao fortuito e ao incompreensível.

Essa senda da comodidade intelectual nos faz recusar o desconhecido e o novo. Bloqueia a disponibilidade heurística.

Nada, a não ser o freio da cultura aprendida e o respeito às tradições, impede que entendamos a história bíblica como o desejo freudiano de Caim matar o Pai e não o irmão. Ou que, anacronicamente, o Senhor, o Deus único do Livros judaico, cristão e muçulmano, recusa a oferenda de Caim porque é contra os vegetarianos.

A mente livre pode interpretar a história, a tradição e o estabelecido como quiser – de outra forma não seria livre. No entanto, tolhido pelo historicismo, pelas tradições e pelas vivências pessoais, o espírito servil rescinde ante o difícil e o disparatado. Ocupa-se em acomodar os contrassensos e as irrelevâncias até os aceitar como razoáveis e cruciais, ou, simplesmente, apaga-las da memória.

 

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2020 – O tempo e o lugar do ato heurístico. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2020/12/23/heuristica-a-memoria-como-estorvo/

 

REFERÊNCIAS:
Tversky, A., & Kahneman, D. (1973). Availability: A heuristic for judging frequency and probability. Cognitive Psychology, 5, 207–232.
Schwarz, Norbert & Leigh Ann (2002) The availability heuristics revisited: ease of recall and content of recall as distinct sources of information, in Heuristics and Biases. Tom Gilovich, Dale Griffin, Daniel Kahneman, Ed. Cambridge. Cambridge University Press.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s