A heurística: Para além da opinião.

Epistemologia

As ideias que temos sobre nós e sobre o mundo percorrem um de dois caminhos: o da computação de memórias ordenadas segundo uma lógica pessoal, e o da intuição direta, como quando vemos a expressão de uma pessoa e concluímos que está triste ou preocupada.

A memória tem vida própria. Trabalha buscando o reforço do que se sabe ou se pensa saber. Já a intuição funciona como uma aeronave em modo automático. Imprime trajetórias reflexas e bloqueia estímulos aleatórios.

Tanto a memória como a intuição estabelecem nexos por similaridade, apagam itens desagradáveis, “inventam” outros sem que disso tenhamos consciência.

Cremos que as nossas operações mentais são controladas, mas a maioria das cognições procede de automatismos inconscientes. Saltamos das informações imprecisas, incompletas ou falsas paras conclusões débeis, sem fundamento. As ideias já aceitas atraem outras, em um processo iterativo de fixação.

O corolário é que a consciência tende a se ancorar no lembrado e no intuito, considerando um e outro como evidências em si mesmas.

Uma vez que tenhamos uma resposta sobre algo: seja a existência ou não de Deus, seja a racionalidade ou irracionalidade do sistema de três poderes, seja a artificialidade ou inevitabilidade da economia de mercado, seja qualquer outra convicção, passamos a acreditar que isso, sobre o que temos uma resposta condicionada, tem base empírica e fundamento lógico.

Esse mecanismo estrutura a opinião, a mais séria barreira ao exercício da faculdade heurística. Seu cancelamento é necessário para a descoberta e imprescindível para a invenção. Exige um esforço tenaz: o da substituição da autoconfiança pela dúvida sistemática. O que não é fácil. A opinião é tentadora e é aliciante porque troca o desconforto da ignorância pelo luxo da certeza.

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2021 – A heurística: Para além da opinião. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2021/03/10/a-heuristica-para-alem-da-opiniao/

 

 

REFERÊNCIAS:
Brockman, John (2013) Thinking: The new science of decision-making, problem-solving, and prediction. New York. Harpers Perenial
Gilovich, Thomas, Dale Griffin, Daniel Kahneman (ed). (2002) Heuristics and biases: the psychology of intuitive judgment. Cambridge University Press.
Kahneman, Daniel. (2011) Thinking, fast and slow. New York. Farrar, Straus and Giroux

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s