Atmosferas do trabalho: 2030.

Trabalho.

ffff

Um grupo interdisciplinar do RGCS francês elaborou projeções de como seria o trabalho daqui a 10 anos. Considerou diversos arranjos de fatores tecnológicos, culturais, emocionais, econômicos para descrever quatro possíveis “atmosferas”: assalariamento, freelancing, hibridismo e solidarismo.

A modalidade “assalariamento” configura uma sociedade em que o trabalho é ordenado legalmente, exacerbando o que já ocorre em países como o Brasil. Nesse cenário, a atmosfera torna-se cada vez mais rígida, situada e enraizada.

A modalidade “freelancing” refere a uma sociedade de trabalhadores autônomos, ligados por plataformas globais. Nessa projeção, a atmosfera torna-se individualmente tensa e socialmente líquida, no sentido descrito por Zygmunt Bauman.

O “hibridismo” descreve uma sociedade em que prevalece o trabalho multitarefas. Cada pessoa teria vários empregos temporários e trabalharia, também, como autônomo. Nessa projeção, a sociedade se torna frenética. A atmosfera beira um tipo de esquizofrenia em que o pensamento é dissociado da atividade.

A forma “solidária”, de renda universal, projeta uma sociedade em que o trabalho é governado mais pela significação do que pela remuneração. Os vínculos institucionais permanecem, mas contra um pano de fundo de compartilhamento. Nesse possível futuro, a atmosfera é caracterizada pelo desenvolvimento social e realização pessoal.

Os cenários e atmosferas podem ser combinados, o que os aproxima da indeterminação consistente com uma projeção para daqui a 10 anos.

Explica-se: os autores não pretendem ter uma bola de cristal, muito menos indicar utopias ou distopias. O que os anima e justifica é uma razão maior do que alimentar a contenda sobre o destino do trabalho. É a de nos preparar para a inserção nesses futuros ou, então, de nos abrir os olhos para que nos empenhemos para que uma modalidade próxima à solidária venha a prevalecer.

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2021 – Atmosferas do trabalho: 2030. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensar – https://hermanoprojetos.com/2021/06/16/atmosferas-do-trabalho-2030/
 
REFERÊNCIAS:
Bauman, Zigmunt (2001). Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro. Jorge Zahar
Vaujany, François-Xavier de, Amélie Bohas, Sabine Carton, Julie Fabbri, Aurélie Leclercq Vandelannoitte. (2018) Le futur du travail en 2030 ; quatre atmosphères ? Rapport de recherche RGCS Research Group on Collaborative Spaces. Halshs <01945379>

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s