Heurística: O princípio da recodificação.

Epistemologia.

Incredible-Surreal-Paintings-by-Vladimir-Kush6 (2)

Incredible-Surreal-Paintings-by-Vladimir-Kush6Foi Roland Barthes quem observou que não nos damos conta do poder tirânico do discurso porque não separamos o codificado do intuído. A habituação encoberta o fato de tudo o que se diz e se escreve encerra um código opressor. Cláusulas que tolhem a capacidade da mente para intuir o velado e o inexistente.

A prática de re-codificar é útil para desobstruir a faculdade heurística.

O princípio de recodificação foi defendido por Max Wertheimer (1880-1943), um dos pais fundadores da gestaltpsycologie. Wertheimer considerou a manipulação dos conceitos como uma das chaves do pensamento. Mostrou que a expressão do fenômeno em outro modo abre a possibilidade de atualizar o potencial heurístico.

Não faltam exemplos da fecundidade da recodificação. Pavlov proibiu seus assistentes de dizer que o cão adivinhou, desejou, etc., criando, com isso, o vocabulário que deu origem ao corpus teórico da etologia. Lévi-Strauss denominou de ato ou fase da bricolagem a transferência de símbolos, o deslocamento do campo, a recondução estrutural para outra realidade. Nas ciências naturais, a transposição de termos da física trouxe para a fisiologia uma série de ideias novas, como a adoção de dipolo, que vem da Teoria dos Campos (Poisson e Laplace), origem de um progresso notável na eletrocardiografia.

A recodificação não é um método. É uma técnica. Uma chave para a abertura heurística. Restaura em nós o desassombro da criança que fantasia com o jogo de cubos, descobrindo e inventando mundos vetados ao adulto.

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2021 – Heurística: O princípio da recodificação. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2021/09/15/heuristica-o-principio-da-recodificacao/
REFERÊNCIAS:
Barthes, Roland (2001). A aventura semiológica. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo. Martins Fontes.
Cherques, Hermano Roberto Thiry (2008). Métodos estruturalistas. São Paulo. Atlas.
Todes, Daniel P. (2014). Ivan Pavlov: A Russian Life in Science. New York. Oxford University Pres.
Wertheimer, Max (1991). El pensamiento productivo. Tradução de Leandro Wolfson. Barcelona. Paidós Ibérica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s