A memória criativa.

Perplexidades.

13
Betty, 1988 por Gerhard Richter

Quando agimos, agimos agora. Também quando pensamos, pensamos agora. Parece óbvio que em atos e pensamentos estamos sós e em um tempo instantâneo; no presente da recordação e da antecipação. No entanto, Hegel e depois, Marx – e a partir deles, o século e meio seguinte – negaram validade a essa evidência. Atribuíram à História o sentido das ações presentes dos povos. Sonharam com indivíduos submissos a uma consciência temporal e coletiva.

Custou tempo, esforço e coragem para que se admitisse que a História não faz sentido, ou melhor, faz o sentido que lhe quisermos dar. Tardou para que, a partir de Husserl, a filosofia, a psicologia e as neurociências convergissem para o entendimento de que o que rege a nossa consciência não são os eventos do passado, mas a lembrança que temos deles: a nossa memória.

A memória não é um sistema de estocagem, mas uma forma de uso da razão. Como tal é falha, é partidária, é seletiva. E pode ser violada, como sabem os políticos, os advogados e os psicólogos. Essas as razões de que as consciências do século passado se vissem implicadas em uma responsabilidade de ajustamento dos fatos a posteriori. No caso, digamos, mas à direita da reflexão, inventaram uma memória do que não aconteceu. No caso mais à esquerda, emprestaram relevância indevida a acontecimentos que encaixavam belamente em estruturas arbitrárias.

A memória é o teatro do passado, não o instrumento para o explorar. É o meio das vivências, como o solo é o meio em que cidades mortas jazem enterradas. Paul Ricœur explicou que há memória sem haver história. A memória visa a fidelidade ao vivido, a história a constância dos fatos. Uma é orgânica. A outra mecânica. Nenhuma das duas é verdadeira.

 

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2021 – A memória criativa. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2021/12/10/a-memoria-criativa/
 
 
REFERÊNCIAS:
 
Husserl, Edmund. (2001). Meditações cartesianas. Tradução de Frank de Oliveira. São Paulo. Madras.

Paul Ricœur (2007) A  memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et al.. Campinas. Editora da
Unicamp.

Publicidade

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s