Epicuro – Prolepse: a memória do futuro.

Perplexidades.

art

Oswald de Andrade chamou a atenção para o “estorvo ideológico” da dívida – seja a religiosa, a econômica ou a psicológica – que pensamos ter para com o futuro. O ora et labora, o vintém poupado e o dever cumprido são fantasias destinadas a modular a conduta dos espíritos pueris.

Só a prolepse, o sentimento do que virá, a pré-noção dos acontecimentos, nos ajuda a prever o futuro.

A prólêpsis grega (lat. antecipatio) participa do fenômeno da apreensão (katalepsis) da memória involuntária das impressões. Para Epicuro, era um dos três critérios da verdade. Os outros dois eram a sensação (asísthesis) e a emoção (páthos). Juntos, formavam os conceitos de gênero e espécie, mediante os quais os dados da experiência são antecipados pela mente.

Entre os adeptos do Jardim, o resultado da apreensão repetitiva do mesmo tipo de objeto constituía uma espécie de resíduo fundamental: a justaposição do pensamento que se constitui espontaneamente a partir da percepção do singular. Tanto percebemos os muitos tipos de animais, que antecipamos o conceito de animal para entes que não conhecíamos.

Obscurecida pela cientificidade burguesa, a prolepse apagou-se das convicções. Foi silenciada pelo dogma da impossibilidade de sermos informados mediante as impressões e o acaso. A antevisão à sentimento foi trocada pela incerta e equívoca projeção probabilística.

Uma perda lastimável. O porvir não é uma possibilidade, mas uma certeza óbvia: a da dissolução do agora. Para desativar a ilusão projetiva denunciada por Andrade, a esperança que restou é a do Índio de Caetano Veloso, da confluência do passado e do futuro no presente (virá que eu vi).

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2022 -Epicuro – Prolepse: a memória do futuro. A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2022/04/20/epicuro-prolepse-a-memoria-do-futuro/
 
REFERÊNCIAS.
Andrade, Oswald (1970). A crise da filosofia messiânica. In Obras completas. Rio de Janeiro. Civilização brasileira.
Cherques, Hermano Roberto Thiry (2012) Conceitos e definições: o significado em pesquisa aplicada nas ciências humanas e sociais. Rio de Janeiro. Editora da Fundação Getulio Vargas.
Laercio, Diogenes (2020), Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Tradução de Lúcio Jakobsmuschel. E-Book Kindle. São Paulo. Montecristo Editora [X, 31; VII, 1, 54 & VII, 1, 54]
Lucrécio (2015). Da natureza das coisas. Tradução (do latim), introdução e notas de Luís Manuel Gaspar Cerqueira. Lisboa. Relógio d’Água. [IV, 476]
Veloso, Caetano (1977). Um índio. In Bicho (Álbum). Philips Records.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s