A normatização pós-hagiológica.

Perplexidades.

Seis mil anjos têm como encargo deslocar as estrelas. Não fossem eles, os corpos luminosos se dispersariam ou imobilizariam. Essa a explicação medieval para o ordenamento dinâmico do céu. Sabemos que não é assim. Que os seres inertes se movem por impulso, gravitação e entrechoques. Que os seres animados se movem por estímulo instintivo. Que os seres humanos se movem segundo pulsões, desejos e necessidades reguladas por normas sociais. O que não sabemos nem podemos antever é quais as normas que emergirão do insulamento imposto pela pandemia, facilitado pela tecnologia, naturalizado pela economia.

O termo latino nórma,ae significava originalmente o conjunto de instrumentos utilizados para medir os ângulos nas construções. Com o tempo, o conceito foi estendido a todo critério de juízo paradigmático. Nos idiomas modernos, normas são enunciados que dizem se uma ação ou relação é obrigatória, recomendável, permitida, inconveniente ou interdita.

As normas são diferentes das leis. As leis dispõem sobre o obrigatório e o proibido. Consideram a omissão como permissão. São explicitas. Quem as transgride incorre em sanções pré-determinadas. Já as normas são implícitas. Devem ser aprendidas, descobertas. Quem as infringe incide em sanções não estruturadas e transitórias: o menosprezo, o sarcasmo, as ameaças, a segregação.

As normas baseiam-se em um caso único, um modelo ou em um exemplo. As que hoje vigoram logo caducarão. E não dispomos modelos ou exemplos de uma coletividade de corpos ausentes e de mentes emancipadas de controle. Mesmo que tivéssemos o coro angelical d’antanho, faltariam à web os critérios e os instrumentos de ordenação. Não há anjos que conformem a nuvem digital. Só há os que nela se assentam ou se escondem.

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2022 – A normatização pós-hagiológica. – A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensar – https://hermanoprojetos.com/2022/06/03/a-normatizacao-pos-hagiologica
REFERÊNCIAS:
Durkhein, Émile (1975), Definition du fait moral. Texte 2. Religion, morale, anomie. Paris. Minuit
Suarez-Nani, Tiziana (2002) Les anges et la philosophie. Paris. Vrin
Turiel, Elliot (2002) The culture of morality: social development, context, and conflict. Cambridge. Cambridge University Press.
Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s