Schumpeter e a mantícora.

Perplexidades.

“Destruição criativa” é um conceito idealizado por Joseph Schumpeter a partir da leitura de Karl Marx. Descreve um processo cíclico de destruição e posterior reconstrução, em que os recursos se deslocam para onde estão as novas oportunidades, gerando o progresso econômico via inovação.

Vivenciamos o ciclo letal da revolução tecnológica. Setores inteiros da economia, como a indústria da música – gravação, distribuição, comercialização – liquidados pelo streaming. Outros sendo suprimidos aos poucos, como o da indústria editorial. A automação, a robótica, a Web, estão em toda parte. Átomos substituídos por bits, seres humanos por artefatos.

Deveríamos já estar vivenciando o ciclo construtivo da revolução tecnológica. No entanto, encalhamos em uma espécie de purgatório laboral, no qual milhões de postos de trabalho desaparecem para sempre. Nas revoluções agrícolas e industriais o ciclo inventivo foi compensatório. O trabalho vinculado e o independente ressurgiram em outro plano. Mas agora uma forma especifica de trabalho, o emprego, está sendo destruída, tragada pela mitológica Mantícora dos persas, um monstro que não deixa rastros daquilo que devora.

Schumpeter constatou a existências dos ciclos. Não que se repetiriam indefinidamente. Quem disse que a história se repete, mas como farsa, foi Karl Marx. Nenhum dos dois falou da superposição de ciclos de mesmo sinal. Na pandemia, um ciclo destrutivo vindo do exterior do sistema econômico, se justapôs à destruição induzida pela tecnologia, o ciclo funesto que estava em curso. Acelerou sua potência e elevou seu desdobramento. Não sabemos o que virá desta conjugação catastrófica. O aterrorizante é que a busca pela sobrevivência material em um mundo em contorção gera seres quiméricos. Seres que procedem da direita fanática, do centralismo paralisante e da esquerda extremada. Mantícoras devoradoras do humanismo.

REFERÊNCIAS.
Borges, Jorge Luis e Margarita Guerrero (2007). El libro de los seres imaginarios. Barcelona. Editorial Destino.
Eberhart, George M. (2002). Mysterious creatures: a guide to cryptozoology. Santa Barbara, California. ABC-CLIO.
Schumpeter Joseph A. (1961), Capitalismo, socialismo e democracia. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura.
UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2022 –  A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensar – Schumpeter e a mantícora. –  https://hermanoprojetos.com/2022/09/09/schumpeter-e-a-manticora/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s