O sonho alquímico.

Epistemologia.

Igor Morski

Ars heurística por excelência, a alquimia, teve como propósito encontrar o caminho que levasse à descoberta ou à invenção da Pedra Filosofal (Lapis Philosophorum). Um objeto, um método ou um conhecimento, ninguém sabe ao certo, que potencializaria infinitamente a inteligência humana.

Os quatro subobjetivos alquímicos eram: a transmutação (conversão de fezes em água), a obtenção do elixir da longa vida, a criação da vida artificial, e a produção de riquezas (transformação de chumbo em ouro).

Esses desígnios pouco ou nada têm a ver com as ciências naturais dos séculos passados, que se alicerçam em epistemologias, métodos e técnicas estabelecidas para reduzir tudo à energia, à força e à prontidão dos elementos e dos corpos.

É verdade que desde o final do Renascimento a Ciência descobriu muitas coisas. Perdeu, no entanto, o rumo heurístico quando quis agregar valor aos bens e sentidos conhecidos, deixando de lado a invenção de bens inéditos e a busca de novos sentidos.

De tal sorte que o crédito pelo progresso no conhecimento deve ser atribuído aos raros cientistas que nunca abandonaram os sonhos alquímico. Dão testemunho desses resquícios de fantasia criativa a consecução dos subobjetivos, expressa nos purificadores que extraem água potável dos esgotos, nos fármacos que alongam a vida, na medicina regenerativa que cria tecidos humanos, e na economia que gera riquezas (falsas, no entanto) a partir do nada.

Infelizmente, o propósito maior dos alquimistas, inventar um meio que ampliasse o espirito humano, foi posto de lado. A Ciência institucionalizada acumulou e segue acumulando conhecimentos, mas deixou a busca da sabedoria e da criação à cargo de algumas poucas personalidades de espirito rebelde e fantasista.

 

UTILIZE E CITE A FONTE.
CHERQUES, Hermano Roberto Thiry, 2022 – O sonho alquímico. –  A Ponte: pensar o trabalho, o trabalho de pensarhttps://hermanoprojetos.com/2022/11/11/o-sonho-alquimico/

 

REFERÊNCIAS:
Marshall, Peter (2001). The Philosopher’s Stone: A quest for the secrets of Alchemy. London. Pan Macmillan.
Mc Neil, Ian (ed.) (1990). An encyclopaedia of the history of technology. London. Routledge.
Nummedal Tara E., Alchemy. (2005). In, Horowitz, Maryanne Cline New dictionary of the history of ideas. Thomson Gale.
Von Franz, Marie-Louise (1992). A Alquimia e a Imaginação Ativa. Tradução de Pedro Dantas Jr., São Paulo Cultrix.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s