Diderot

Heurística – Freud: a transposição.

Epistemologia.

interpretazione dei sogni  freud  jung“…em sonhos, …, muitos homens deitaram com a própria mãe”. Nesta fala, a de número 1105 de Édipo Rei, Freud se inspirou para descobrir o complexo de Édipo. No clássico Über der Natur, para inventar sua profissão.

O método longitudinal de Freud deriva da exegese talmúdica, da aceitação judaica do espírito oculto na Letra, da tradição alemã das “ciências do espírito”. Mas a força heurística da psicanálise repousa na imensa cultura literária do seu fundador. (mais…)

Anúncios

Diderot: do trabalho enquanto coerção salutar

CATEGORIA TR

van_loo_louis_michel_504_portrait_of_denis_diderot

Os enciclopedistas definiram o trabalho como “ocupação diária a qual o homem está condenado por suas necessidades e a qual ele deve ao mesmo tempo sua saúde, sua subsistência, sua serenidade, seu bom senso e talvez a sua virtude[1].

Como pode ser que uma condenação seja simultaneamente uma benção tocaria a Denis Diderot (1713-1784), autor do verbete, explicar. A esta distância no tempo, podemos apenas especular sobre as raízes da incongruência.

É possível que, como filho de um cuteleiro, Diderot se ocupasse em reabilitar os artesãos, os que professavam as “artes mecânicas”, desprezados desde o final da Idade Média em favor dos que professavam as “artes liberais”, dos cientistas, dos artistas, etc.

É possível que, seguindo o espirito da época mais do que a lógica, Diderot não considerasse trabalhadores os camponeses, os funcionários, os domésticos, os operários de estiva, todos os que não professassem “artes”, todos os sujeitos ao regime da escravatura, da servidão ou da quase-servidão (a escravatura foi abolida na França em 1794, restabelecida em 1802 pelo primeiro cônsul Napoleão e abolida de vez em 1848).

É possível, por fim, que os enciclopedistas, ante a tarefa de explicar a natureza, a origem e o destino de tudo, incluindo aí a da vida social, tenham fatigado dos seus cuidados e descrito o trabalho como um absurdo cativeiro libertário, caindo involuntariamente na indecência de declarar benéfica uma coação.


[1] Encyclopédie dirigée par Diderot & d’Alembert (1751-1765) (Page 16:567).

Recuperável em http://www.lexilogos.com/encyclopedie_diderot_alembert.htm

UTILIZE E CITE A FONTE