significado

Heurística – A Cabala e o déficit de significado.

Epistemologia.

Dutch Oil on wood painting of Fool 16th Century at AuctionAo lermos e exploramos o mundo pelo caminho descarnado da Internet, nos dispensamos de o interpretar. Acrônica e acromática, a linguagem da Web convence por ser imediatamente inteligível. É facilmente aceita porque não implica em nenhum significado a ser descoberto. São palavras, símbolos e ícones parqueados para que possam ser colhidos e excretados quando conveniente.

O rebaixamento de nível no processo de decodificação fez com que, em apenas duas décadas, muitos de nós abandonássemos a aspiração milenar de sermos interpretes de nós mesmos para sermos pacientes da experiência equalizada dos outros. Rastreáveis, nos inscrevemos na crônica da manada. (mais…)

Anúncios

Governo e Setor Público – Conceitos Básicos

Trabalho & Produtividade

Governo e Setor Público: Produtividade do trabalho no setor público
CNPq nº 4001199/2008-4

O propósito deste artigo é o de trazer à discussão alternativas para a superação das barreiras à produtividade do trabalho, decorrente dos exageros normativos que pautam o setor público brasileiro.

O horizonte de investigação é o do posicionamento da administração pública em face do contexto socioeconômico contemporâneo. A metodologia utilizada foi a da análise de conteúdo de entrevistas não estruturadas que compõem a fase de sondagem de uma pesquisa em curso orientada para o tema.

A interpretação das declarações dos entrevistados evidencia origens de improdutividade: a perpetuação dos servidores improfícuos, a naturalização da ineficiência, o desvio de foco, a recusa à inovação e a reprodução dos sistemas normativos existentes.

O estudo sugere três estratégias para superação das barreiras à produtividade: simplificação dos sistemas normativos, aferição do resultado do trabalho e flexibilização das normas.

O termo “governo” tem uma acepção antiga, a de Rousseau, que o dá como o poder executivo submetido à autoridade do soberano, e quatro acepções contemporâneas:

  1. A forma de organização do Estado, seu regime constitucional, equivalente ao termo grego “politeia”, que Montesquieu dividiu em três espécies: republicano, monárquico e despótico. É a conotação própria da filosofia e da ciência política, que utilizamos, por exemplo, quando falamos em governo democrático;
  2. O conjunto de organismos controlados e dirigidos pelos que detém o poder, termo inadequado, que se confunde com a administração pública, mas é de larga utilização nas considerações econômicas e na mídia;
  3. O conjunto de órgãos de poder no âmbito do Estado, sinônimo de autoridade pública. Esta é que mais convém à segmentação necessária aos estudos da administração pública. É a acepção utilizada, por exemplo, quando se trata da qualidade da gestão dos negócios públicos.
  4. A acepção em voga é a de Michel Foucault, que diz que o governo não é nem um órgão, nem uma instância de dominação, mas o conjunto de relações de poder que conformam o dispositivo normalizador das sociedades modernas. Foucault construiu esta concepção a partir do conceito de “pastoral”, dos primórdios do cristianismo. Uma noção completamente diversa das formas greco‐romanas, a pastoral visava dirigir as almas para a sua salvação. O governo contemporâneo visaria, mediante o uso de técnicas de poder, orientar as vidas dos indivíduos e dos grupos para a salvação do Estado.

Para fins de pesquisa, adotamos a denominação “governo” para conotar a instância do Estado que congrega a autoridade pública. Neste sentido, o governo distingue‐se da administração pública pelo caráter abstrato, exterior à materialidade das organizações.

Adotamos o termo “setor público” para designar o conjunto de organizações financiadas pelo orçamento público, dirigidas e controladas pelos governos. Esta definição é uma síntese operacional de definições encontradas na literatura técnica sobre o tema.

Utilizamos termos como “função pública” e “servidor público” genericamente. Procuramos evitar as imprecisões da legislação. A expressão “servidor público”, por exemplo, é definida pela lei 8112, que versa sobre o regime jurídico dos servidores civis da União, das autarquias e das fundações pública federais, em seu artigo 2º como “a pessoa investida em cargo público” . A mesma lei define a expressão “cargo público” como “o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas ao servidor”. Ou seja um dialelo: o servidor é o que se ocupa do cargo e o cargo é aquilo de que o servidor se ocupa.

Clique aqui para acessar o artigo completo.

utilize

Identificação de protótipos, arquétipos e estereótipos.

Trabalho & Produtividade

Tendemos a categorizar objetos em função de sua proximidade com um exemplar ou caso “típico”, com o exemplar cujos atributos parecem se ajustar melhor à noção pré-científica. Em Conceitos e Definições mostramos como a conceituação técnica permite não só corrigir como utilizar protótipos, arquétipos e estereótipos enquanto elementos de análise.

Para ler mais clique aqui.

 

utilize

Novo Livro

Trabalho & Produtividade

Conceitos & Definições – O significado em pesquisa aplicada nas ciências humanas e sociais propõe um roteiro para a análise e a constituição de significados. Trata-se de um livro marcado pela preocupação em auxiliar os que se lançam à investigação empírica. Sem pretender fixar uma forma única de abordar o tema da conceituação, o texto recupera o pensamento filosófico e as contribuições das ciências humanas e sociais para fundamentar soluções do cotidiano do pesquisador, como a formação do conceito, a crítica das definições, a identificação de protótipos e a construção de indicadores.